sexta-feira, 11 de novembro de 2011

O custo Brasil

O custo Brasil
As eleições para o CONFEA (Carvalho, 2011) estão travadas na Justiça Federal, por quê? O que motivaria pessoas a pretenderem assumir cargos honoríficos e disputarem ferrenhamente cada lugar? Maldades à parte, o Sistema CONFEA arrecada algo em torno de setecentos milhões de reais por ano em carimbos e burocracias que são impostas por leis corporativas. Só no Paraná isso representa cinquenta milhões de reais por ano (valores recentes) para o CREA e CONFEA, e onde estariam os resultados?
Com orgulho podemos citar a atuação do Fórum de Acessibilidade no Paraná (Programa de Acessibilidade CREA-PR), onde, desde sua formação, inúmeras questões técnicas sobre acessibilidade e mobilidade de pessoas com deficiência têm sido colocadas, afetando gradativamente o comportamento dos nossos planejadores urbanos, construtores e administradores em geral. Estamos longe, contudo, de atender o mínimo que as leis aprovadas e regulamentadas nessa área determinam, seriam falhas de Governo, Poder Judiciário e/ou do Ministério Público?
O aspecto negativo fica por conta de uma tecnocracia incapaz de elevar a qualidade dos cursos de Engenharia, Agronomia e Arquitetura, por exemplo (Cascaes). Os acidentes observados e obras mal feitas fizeram dos CREAs o IML das profissões em sua área de atuação, entram para diagnosticar insucessos, fazendo isso sem laboratórios e estrutura adequados, algo que faz falta no Brasil.
O que realmente incomoda no nosso país cartorial é a imensa quantidade de carimbos, taxas, encargos e impostos (OS TRIBUTOS NO BRASIL) reais que todos pagam obrigatoriamente, muitas vezes submetendo-se a um roteiro torturante para poder trabalhar, perdendo prazos e recebendo multas kafkianas. Até para sindicatos somos intimados a “contribuir” gerando uma multidão de pessoas que acreditam viver de forma adequada e gerando custos que afetam até pessoas em moradias simples, por infelicidade enquadráveis nas tabelas de tecnocracias intermináveis. Pior ainda, como todo dia cria-se alguma coisa a mais, o empreendedor está sempre sujeito a alguma fiscalização detonante...
O Brasil precisa ser reinventado.
O Mundo em mais uma crise econômica deve se tornar protecionista e mais competitivo, como iremos enfrentar tudo isso? Fazendo arenas e importando trens de alta velocidade?
Nunca foi tão importante quanto agora sentir a mobilização real e ampla da sociedade para discussão dessa mudança de cenários. Seria estupidez voltarmos a ser surpreendidos por tempestades mais do que visíveis no horizonte. As marolas estão se transformando em maremotos.
Alguém poderia lembrar que existem os Parlamentos, o que fazem?
As bases parlamentares de prefeitos, governadores e da Presidente mostram diariamente a inconsistência de partidos políticos e lideranças em quem só a velhinha de Taubaté (Veríssimo) confiava. Felizmente alguns iluminados surpreendem pela ousadia e disposição de cobranças e assim o Poder Executivo enfrenta alguma vigilância.
Naturalmente seria desejável que corporações externas ao Governo também agissem com rigor. Infelizmente, como efeito da cooptação arquitetada em tempos fascistas, sentimos a timidez de organizações e lideranças que poderiam ser mais eficazes.
O Brasil precisa de tudo, parece que podemos querer um desenvolvimento sadio. Para isso precisamos nos apaixonar pelo povo brasileiro e não simplesmente companheiros disso ou daquilo. A vida miserável de milhões de patrícios clama por atenção de todos que tenham alguma capacidade de solução dos nossos problemas estruturais.
As eleições para o sistema CONFEA assim como outras recentes mostram que temos pessoas idealistas, mas também que muito dinheiro corre por debaixo da ponte em direções perdulárias.
Tudo isso seria necessário?
Precisamos rever custos e estruturas se quisermos competir e ganhar eficácia no mercado internacional, assim como deixar de comprar em “free shops” ou em lojas de Miami e outros paraísos do consumidor turista equipamentos e produtos a preços muito menores, perguntando-nos, espantados, como conseguem ter custos tão atraentes.
O Brasil pode criar postos de trabalho produtivos e serviços ágeis, é “só” promover uma boa revolução administrativa nesse gigante adormecido...

Cascaes
11.11.2011
Carvalho, M. H. (11 de 11 de 2011). Justiça anula eleição em São Paulo. Fonte: Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea) : http://www.confea.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=14801&sid=10
Cascaes, J. C. (s.d.). Fonte: A formação do Engenheiro e ser Engenheiro: http://aprender-e-ser-engenheiro.blogspot.com/
OS TRIBUTOS NO BRASIL. (s.d.). Fonte: Portal Tributário: http://www.portaltributario.com.br/tributos.htm
Programa de Acessibilidade CREA-PR. (s.d.). Fonte: Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Paraná - CREA-PR: http://www.crea-pr.org.br/programa_acessibilidade/
Veríssimo, L. F. (s.d.). Velhinha de Taubaté (1915-2005) – Luís Fernando Veríssimo. Fonte: Página da Beatrix: http://www.beatrix.pro.br/index.php/velhinha-de-taubate-1915-2005-luis-fernando-verissimo/

terça-feira, 12 de abril de 2011

CURSO: Acessibilidade e Desenho Universal

CURSO: Acessibilidade e Desenho Universal
Cidade: Curitiba
Data: 29/04/2011 a 30/04/2011
Período de Inscrições: 30/03/2011 a 28/04/2011

Palestrante:
·       Ricardo Tempel Mesquita - Arquiteto e Urbanista - PR-15878/D -
Promoção:
Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas no Estado do Paraná - SINDARQ-PR

Objetivo:
Proporcionar aos participantes os conhecimentos necessários à elaboração de projetos, que atendam à população portadora de deficiência, que segundo o IBGE, no Brasil existem 24,5 milhões de pessoas com deficiência, sendo 15 milhões em idade produtiva. A Lei de Cotas obriga empresas com mais de 100 funcionários a contratarem de 2 a 5% de pessoas com deficiência. Em Curitiba são 200 mil pessoas com deficiência (não contando idosos, obesos, gestantes, deficiente temporários)  que precisam circular em calçadas, escolas, lojas e escritórios, parques, terminais de transporte, repartições públicas e comunitárias acessíveis.

Público Alvo:
Profissionais das áreas de engenharia e arquitetura, designers e decoradores, legisladores e juristas, funcionários públicos e de autarquias relacionados ao planejamento urbano e de transporte coletivo, gestores e professores do ensino fundamental ao universitário, síndicos e administradores, gestores e profissionais de RH de empresas.

Data e horário:
Dias 29 e 30 de abril 2011 (sexta-feira das 19:00h às 22:30h e sábado das 9:00 às 12:00h e 13:30 às 17:30h).

Local:
Auditório da Regional Curitiba do CREA-PR
Rua Padre Camargo, 285 - Alto da Glória
Curitiba/PR
Ponto de referência: atrás do Hospital das Clínicas

Inscrições e mais informações:
SINDARQ - Sindicato dos Arquitetos e Urbanistas no Estado do Paraná
Rua Marechal Deodoro, 314 - sala 705
Fone: (41 ) 3014-0601
E-mail: sindarq-pr@creapr.org.br 

Investimento:
R$ 30,00 para estudantes membros do CREAjr-PR
R$ 50,00 para estudantes de Pós-graduação
R$ 60,00 para profissionais associados ao SindARQ-PR, Senge-PR e IEP
R$ 80,00 para demais interessados

Efetue o depósito ao SINDARQ-PR e envie de comprovante de depósito devidamente identificado com o nome do inscrito para o fax (41) 3014-0601
Banco: Caixa Econômica Federal
Agência: 0369
Operação: 003
Conta corrente: 101185-7

Carga horária:
10 horas/aula

Programa:
Legislação e Normalização; Ergonomia, Antropometria e Fisiologia das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida; Descrição das deficiências
Acessibilidade atitudinal; Aspectos construtivos e urbanísticos com cases do local do curso; Análise e diagnóstico físico e financeiro; Apresentação de cases relacionados ao assunto; Vivência com cadeiras de rodas, bengalas para cegos e ausência de audição e Pesquisa e desenvolvimento prático com cases dos participantes.

Apoio:
Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Paraná - CREA-PR através da Assessoria de Qualificação Profissional - PRO-CREA.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Choque de gestão inteligente e com foco no ser humano

http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/conteudo.phtml?tl=1&id=1091385&tit=Choque-de-gestao

O Dr. Marcos de Lacerda Pessoa, cujo CV poderá ser visto em lugares especiais, entre eles a COPEL, SIMEPAR, LAC (atual LACTEC) etc. tem competência e autoridade para escrever o artigo indicado acima.
Membro de uma equipe que desenvolve a COPEL TELECOM e nela o Projeto Banda Extra Larga (BEL) e o BEL-i9, com certeza ainda dará ao estado do Paraná contribuições geniais, honrando a memória do seu pai, um médico que dedicou sua vida à saúde das crianças.


Algumas questões respondidas





Ensino Universitário no Brasil

Observações e o Brasil



Empreendedorismo e a Engenharia







O ensino universitário no Brasil







Extremamente importante - Ponderações para discussão