sexta-feira, 11 de novembro de 2011

O custo Brasil

O custo Brasil
As eleições para o CONFEA (Carvalho, 2011) estão travadas na Justiça Federal, por quê? O que motivaria pessoas a pretenderem assumir cargos honoríficos e disputarem ferrenhamente cada lugar? Maldades à parte, o Sistema CONFEA arrecada algo em torno de setecentos milhões de reais por ano em carimbos e burocracias que são impostas por leis corporativas. Só no Paraná isso representa cinquenta milhões de reais por ano (valores recentes) para o CREA e CONFEA, e onde estariam os resultados?
Com orgulho podemos citar a atuação do Fórum de Acessibilidade no Paraná (Programa de Acessibilidade CREA-PR), onde, desde sua formação, inúmeras questões técnicas sobre acessibilidade e mobilidade de pessoas com deficiência têm sido colocadas, afetando gradativamente o comportamento dos nossos planejadores urbanos, construtores e administradores em geral. Estamos longe, contudo, de atender o mínimo que as leis aprovadas e regulamentadas nessa área determinam, seriam falhas de Governo, Poder Judiciário e/ou do Ministério Público?
O aspecto negativo fica por conta de uma tecnocracia incapaz de elevar a qualidade dos cursos de Engenharia, Agronomia e Arquitetura, por exemplo (Cascaes). Os acidentes observados e obras mal feitas fizeram dos CREAs o IML das profissões em sua área de atuação, entram para diagnosticar insucessos, fazendo isso sem laboratórios e estrutura adequados, algo que faz falta no Brasil.
O que realmente incomoda no nosso país cartorial é a imensa quantidade de carimbos, taxas, encargos e impostos (OS TRIBUTOS NO BRASIL) reais que todos pagam obrigatoriamente, muitas vezes submetendo-se a um roteiro torturante para poder trabalhar, perdendo prazos e recebendo multas kafkianas. Até para sindicatos somos intimados a “contribuir” gerando uma multidão de pessoas que acreditam viver de forma adequada e gerando custos que afetam até pessoas em moradias simples, por infelicidade enquadráveis nas tabelas de tecnocracias intermináveis. Pior ainda, como todo dia cria-se alguma coisa a mais, o empreendedor está sempre sujeito a alguma fiscalização detonante...
O Brasil precisa ser reinventado.
O Mundo em mais uma crise econômica deve se tornar protecionista e mais competitivo, como iremos enfrentar tudo isso? Fazendo arenas e importando trens de alta velocidade?
Nunca foi tão importante quanto agora sentir a mobilização real e ampla da sociedade para discussão dessa mudança de cenários. Seria estupidez voltarmos a ser surpreendidos por tempestades mais do que visíveis no horizonte. As marolas estão se transformando em maremotos.
Alguém poderia lembrar que existem os Parlamentos, o que fazem?
As bases parlamentares de prefeitos, governadores e da Presidente mostram diariamente a inconsistência de partidos políticos e lideranças em quem só a velhinha de Taubaté (Veríssimo) confiava. Felizmente alguns iluminados surpreendem pela ousadia e disposição de cobranças e assim o Poder Executivo enfrenta alguma vigilância.
Naturalmente seria desejável que corporações externas ao Governo também agissem com rigor. Infelizmente, como efeito da cooptação arquitetada em tempos fascistas, sentimos a timidez de organizações e lideranças que poderiam ser mais eficazes.
O Brasil precisa de tudo, parece que podemos querer um desenvolvimento sadio. Para isso precisamos nos apaixonar pelo povo brasileiro e não simplesmente companheiros disso ou daquilo. A vida miserável de milhões de patrícios clama por atenção de todos que tenham alguma capacidade de solução dos nossos problemas estruturais.
As eleições para o sistema CONFEA assim como outras recentes mostram que temos pessoas idealistas, mas também que muito dinheiro corre por debaixo da ponte em direções perdulárias.
Tudo isso seria necessário?
Precisamos rever custos e estruturas se quisermos competir e ganhar eficácia no mercado internacional, assim como deixar de comprar em “free shops” ou em lojas de Miami e outros paraísos do consumidor turista equipamentos e produtos a preços muito menores, perguntando-nos, espantados, como conseguem ter custos tão atraentes.
O Brasil pode criar postos de trabalho produtivos e serviços ágeis, é “só” promover uma boa revolução administrativa nesse gigante adormecido...

Cascaes
11.11.2011
Carvalho, M. H. (11 de 11 de 2011). Justiça anula eleição em São Paulo. Fonte: Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea) : http://www.confea.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=14801&sid=10
Cascaes, J. C. (s.d.). Fonte: A formação do Engenheiro e ser Engenheiro: http://aprender-e-ser-engenheiro.blogspot.com/
OS TRIBUTOS NO BRASIL. (s.d.). Fonte: Portal Tributário: http://www.portaltributario.com.br/tributos.htm
Programa de Acessibilidade CREA-PR. (s.d.). Fonte: Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Paraná - CREA-PR: http://www.crea-pr.org.br/programa_acessibilidade/
Veríssimo, L. F. (s.d.). Velhinha de Taubaté (1915-2005) – Luís Fernando Veríssimo. Fonte: Página da Beatrix: http://www.beatrix.pro.br/index.php/velhinha-de-taubate-1915-2005-luis-fernando-verissimo/

2 comentários:

Queluz disse...

Estava indo muito bem até a frase [...] "deixar de comprar em “free shops” ou em lojas de Miami e outros paraísos do consumidor turista equipamentos e produtos a preços muito menores,"[...]. Acaso insinua que o consumidor, covardemente tributado pela sanha legifererante e covarde do Estado brasileiro deve, submeter-se pacificamente a pagar o "Custo Brasil", cuja suprema finalidade é apenas bancar os cretinos burocratas e políticos preguiçosamente instalados no poder?!?!?!?!?

Consultor Valdo França disse...

DESReGULAMENTAR a profissao do engenheiro!
Seria bom para o Brasil acabar com o sistema CONFEA/CREAS, e quem quiser que se organise em associacoes e colegios de categorias profissionais! Instituir a ARBITRAGEM como meio de resolucao de conflitos nos contratos da engenharia.....isso diminuiria o custo BRASIL?cartorial SA...alem de evitar o turismo de conselheiros e representantes a custas do engenheiro e do consumidor de sewrvicos do setor!
Gostaria de ouvir o autor sobre esse assunto!